BannerCombate ao racismoDistrito FederalGeralHome

Presidente Lula sanciona nova Lei de Cotas

Avanços e Inclusão na Educação Brasileira

Presidente Lula sancionou na segunda-feira (13), durante solenidade no Palácio do Planalto, o Projeto de Lei n. 5.384/2020, que atualiza a Lei n° 12.711/12 (Lei de Cotas), reserva de vagas para estudantes oriundos de escolas públicas em instituições federais de ensino.

A nova Lei de Cotas foi aprimorada e atualizada com a inclusão dos quilombolas como beneficiários, o monitoramento anual da Lei e avaliação a cada 10 anos. Pretos, pardos, indígenas, pessoas com deficiência, estudantes de baixa renda e provindos de escolas públicas continuam sendo beneficiadas

A nova legislação traz diversas modificações, incluindo a alteração no mecanismo de admissão de cotistas nas instituições de ensino superior federais, a redução do limite de renda familiar para a reserva de vagas e a inclusão de estudantes quilombolas como beneficiários do sistema de cotas. Além disso, o texto sancionado estipula a obrigatoriedade de monitoramento anual da lei e avaliação a cada dez anos.

O presidente Lula ressaltou que a “Lei de Cotas provocou uma revolução pacífica na educação brasileira, abrindo as portas das universidades federais para jovens de baixa renda, negros, pardos, indígenas e pessoas com deficiência”.

Durante a cerimônia, o presidente Lula ressaltou o trabalho de reconstrução realizado no país nos últimos 10 meses. Ele afirmou que, para o seu governo, nenhuma política pública, mesmo que bem-sucedida, está isenta de ser aprimorada. Essa abordagem, segundo ele, tem sido constante desde o início de seu mandato em 1º de janeiro. Exemplificou esse compromisso mencionando a evolução do Bolsa Família, do Minha Casa, Minha Vida e de diversos outros programas de inclusão social. Agora, a atenção volta-se para a Lei de Cotas, que também passa por aprimoramentos.

A Lei de Cotas foi um marco para a história do país.

Para Benedita da Silva, a lei é fundamental para quebrar paradigmas de que determinadas profissões podem estar relacionadas à raça da pessoa. “Eu posso ser um professor negro, mas eu posso ser um professor branco, a gente quer que avance até o ponto de naturalizar isso.”

“Você pode fazer um balanço, e critique quem quiser criticar, mas a universidade brasileira mudou a cara com as políticas de contas de ações afirmativas, já temos doutores já advogados, já temos pessoas negras qualificadas pelas políticas de cotas.” Afirma, Benedita da Silva.

Comunicação

PTDF

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo