NacionalSem categoria

MST vai ao mercado de capitais visando financiar agricultura familiar

Uma operação que está vindo a mercado quer fazer a ponte entre o mercado de capitais e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) para financiar a agricultura familiar.

Um ano depois de testar as águas numa incursão improvável no mercado, desta vez o cheque pretendido pelo MST é maior. A ideia é levantar R$ 17,5 milhões com a emissão de um Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA).

A operação terá também um acesso democrático para os investidores: se dará por meio de uma oferta pública, que será aberta para aplicações a partir de R$ 100 (na venda do ano passado, cerca de cinco investidores aplicaram ao menos R$ 100 mil cada).

As famílias assentadas pelo MST são responsáveis por grande parte da produção agrícola orgânica no país — há quem diga que trata-se do maior produtor.

O dinheiro captado vai financiar a produção de sete cooperativas de agricultura familiar ligadas ao movimento, que produzem, leite, milho, soja, arroz, açúcar mascavo e suco de uva, nos Estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e São Paulo.

As cooperativas são: Coana, Coapar, Coopaceres, Cooperoeste, Cootap, Copacon e Copavi e boa parte delas tem uma produção exclusivamente orgânica.

Os títulos, emitidos pela securitizadora Gaia Impacto, têm prazo de cinco anos e pagarão remuneração de 5,5% ao ano. Os CRAs contam com isenção de imposto de renda para os investidores e são títulos de renda fixa lastreados em recebíveis da atividade agrícola. Neste caso, o lastro serão cédulas do produtor rural (CPR) emitidas pelas cooperativas.

Os investidores poderão reservar os papéis a partir do dia 26. A venda dos CRAs será feita pela corretora Terra, por meio de uma plataforma inédita do Finapop, um braço financeiro idealizado pelo economista Eduardo Moreira para financiar o MST.

Os investidores interessados poderão abrir um conta, sem custos, dentro de uma área do Finapop abrigada no site da corretora Terra.

O pagamento da dívida aos investidores começa a acontecer no segundo ano da operação. E os títulos vendidos aos investidores de varejo estarão protegidos de inadimplência até o limite de 17% do valor da operação. Essa fatia corresponde às cotas subordinadas da emissão, que recebem um retorno maior, mas também absorvem as primeiras perdas.

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo