Noticia

Em carta, 43 cubanos que atuaram no Pará pedem retorno ao Mais Médicos

“Neste momento de crise na saúde mundial na luta contra o coronavírus, nosso profissionalismo e experiência em emergência epidemiológica torna-se fundamental para resguardar as vidas das pessoas”

Um grupo de 43 médicos cubanos que trabalhou no Pará no Programa Mais Médicos enviou uma carta ao governador, aos presidentes da Câmara e do Senado e aos parlamentares do Estado, pedindo reintegração ao serviço devido ao coronavírus.

Eles argumentam:

Neste momento de crise na saúde mundial na luta contra o coronavírus, nosso profissionalismo e experiência em emergência epidemiológica torna-se fundamental para resguardar as vidas das pessoas.

Vamos ajudar os Municípios, Estado e o Governo Federal atuando em caráter emergencial até revalidar nossos documentos e estivermos autorizados a atuar como médicos com CRM.

Segue a íntegra da carta, os motivos da solicitação e os signatários

Carta

Helder Barbalho – Governador do Estado do Pará

Rodrigo Maia – Presidente da Camara Federal

Davi Alcolumbre – Presidente do Senado e parlamentares da bancada paraense

Assunto: Retorno de médicos e médicas cubanos ao programa Mais Médicos

Prezados Senhores,

Somos um grupo de 43 (quarenta e três) médicos e médicas cubanas que trabalhou em diversos municípios do Estado do Pará no Programa Mais Médicos do Governo Federal até novembro de 2018, período em que foi rompido o contrato entre Cuba e Opas (Organização Pan-americana de Saúde) e até mesmo também médicos que terminaram seu contrato em 2016, 2017 e 2018.

Somos médicos com uma vasta experiência em saúde pública, principalmente no controle de epidemias e pandemias no mundo inteiro.

Cuba tem a responsabilidade de formar médicos humanitários para atuarem de maneira eficaz e com uma assistência de qualidade.

Decidimos ficar no Brasil porque constituímos famílias, buscamos melhores condições de vida e porque fomos recebidos de maneira calorosa pela população brasileira.

Recentemente tomamos conhecimento que o Ministério da Saúde iria chamar médicos cubanos para voltarem a trabalhar no Sistema Único de Saúde pelo programa Mais Médicos com o objetivo de enfrentar a crise do coronavírus, notícia que nos deixou bastante sensibilizados e otimistas em retornar para as nossas atividades e contribuir neste momento tão difícil.

Independentemente dos critérios da Medida Provisória e do edital que foram formulados, queremos reafirmar que nossa formação em Cuba nos enche de esperança e que retornamos ao Brasil acreditando que nossos sonhos serão valorizados como seres humanos e profissionais da saúde.

Estamos longe de nossa família em Cuba, mas estamos perto do calor e carinho do povo brasileiro, e já assumimos como nossa nova família a que formamos aqui. Acreditamos que o Brasil é um país de inclusão que escolhemos pra renascer nosso sonho de começar um novo ciclo.

Neste momento de crise na saúde mundial na luta contra o coronavírus, nosso profissionalismo e experiência em emergência epidemiológica torna-se fundamental para resguardar as vidas das pessoas.

Vamos ajudar os Municípios, Estado e o Governo Federal atuando em caráter emergencial até revalidar nossos documentos e estivermos autorizados a atuar como médicos com CRM.

Esta semana, precisamente dia 26 de março de 2020, o governo federal abriu um edital para reincluir no Mais Médicos 1.800 cubanos que ficaram no Brasil, o que nos encheu de alegria, pois acreditamos estar dentro dos critérios exigidos pelo Ministério da Saúde.

Porém, para nossa surpresa, nenhum dos nomes que assinam abaixo apareceu na lista dos médicos habilitados a serem reincluídos.

Tomamos conhecimento que alguns médicos não estão incluídos na lista de 2018 em razão de o Ministério ter enviado a lista de forma simultânea para a Polícia Federal e para a OPAS o que ocasionou certa confusão.

Desta forma, saíram nomes na lista de colegas que estão em outros países e de outros que estão em Cuba pois viajaram depois em voos cubanos.

Considerando as razões acima citadas, vimos até Vossa Senhoria solicitar empenho para que nos ajude junto ao Ministério da Saúde na nossa reintegração no Programa Mais Médicos e assim nos habilitar a continuar atuando aqui no Estado do Pará.

Além disso, reiteramos nosso respeito e consideração aos senhores e senhoras pela atenção, pois temos certeza que comungam dos nossos anseios.

Atenciosamente,

1- Frank Reinier Varona Morell

2 – Alexis Perez Martinez

3 – Jorge Adrián Ramírez Torres

4 – Arnoldo Perez Levya

5 – Rafael Luis León Castillo

6- Yoel Pérez Gonzáles

7 – Yamile Fonseca Silva

8 – Thais Mary Duvergel Castro

9 – Yesnier Socarras Guerra

10 – Anisley Vega Rodríguez

11 -Verdecia Dieguez

12 – Yosvani Ramon Pena Azze

13 – Claribel Turruelles Ricardo

14 – Felipe Grasset Cervino

15- Barbaro Jesus Casales Ensenat

16- Rogelio Hernández Elias

17-Yelenis Calas Semanat

18- Lilianna Chacón Martinez

19 – Jorge nolberto Hernandez Leyva

20 – Yeney Álvares Company

21- Eloy Yaisel Fernandes Pavon

22 – Yuniel Tremols Cabrera

23 – Dennis Vizcaino Cedeno

24- Noevia Brana Musa – Santa Cruz do Arari

25-Osbel Fiss Castro

26- Andres Alvarez Cespedes

27 – Madelin Cardenas Rodriguez

28 – Katerine Perez Pompa

29 – Daymi Hernandez Mesa

30 – Yordanis Perez Vargas

31 – Yamirka Torres Perez

32 – Luis Rodriguez Herrera

33 – Miladys Caizadilla Ricardo

34 – Caridad Maria Perez Ferrer

35 – Mário Zayas Llorente

36 – Carlos Evelio Benitez Hernandez

37 – Yordanis Blanco Cerulia

38 – Admara Barrera Burrowes

39 – Mario Burunate Villar

40 –Maidel Lesyanis Benitez Fonseca

41-Ricardo Rodriguez justiz

42– Ivan Gonzalez Vega – Ponta de Pedras

43- Roberto Carlos Rodriguez Montoya

Por Vi O Mundo

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo