BannerNoticia

CUT adere ao Dia Nacional de Luta, em 13 de agosto

As manifestações contra a política anti-povo do presidente Jair Bolsonaro não param. De um lado, o pesselista é desmascarado com a publicação de dezenas de escândalos envolvendo a si e sua família. De outro, o povo nas ruas mostra a indignação com a tentativa de instauração do retrocesso. A luta, que só se intensifica, demonstrará mais uma vez sua força no dia 13 de agosto, quando será realizado mais um Dia Nacional de Mobilização por Educação, Emprego e Contra a Reforma da Previdência, com a participação da CUT.

Inicialmente, a data foi chamada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE). Embora elaborada pelo setor da educação, a pauta da manifestação é ampla e, além da reivindicação pela educação pública, gratuita e de qualidade, abrange a luta contra a reforma da Previdência, o restabelecimento da democracia, a liberdade imediata do presidente Lula, a revogação da Emenda 95 (teto dos gastos públicos) e a defesa das organizações sindicais.

Leia também: Em manifesto, CNTE chama Dia Nacional de Paralisação do setor Educacional

“A gente não tem outro jeito de defender o direito do trabalhador e da trabalhadora a não ser lutar”, afirma secretário-geral da CUT Nacional, Sérgio Nobre. Segundo ele, “para fazer uma grande mobilização no dia 13, é preciso manter o ritmo de pressão nos parlamentares em suas bases, nos municípios onde eles moram e foram eleitos, nos aeroportos e no Congresso Nacional”.

A ideia do Dia Nacional de Luta é realizar nos diversos estados e municípios mobilizações, paralisações, assembleias e greves. De acordo com o secretário-geral da CUT Nacional, também é importante que se dê continuidade à coleta de assinaturas para o abaixo-assinado contra a reforma da Previdência, para ele “uma ferramenta importante de diálogo com a população”. Baixe aqui o arquivo com o baixo-assinado contra a reforma da Previdência

Como preparação para o dia 13 de agosto, a CUT elaborou o seguinte calendário:

19 a 26 de julho: Plenárias para discutir a reforma da Previdência e mobilização das categorias para o dia 13 de agosto e outras ações contra a reforma da Previdência (PEC 006/2019), que praticamente acaba com a aposentadoria.

29 de julho a 02 de agosto: Semana Nacional de Coleta de Assinaturas para o abaixo-assinado contra a reforma da Previdência.

05 a 12 de agosto: atividades contra a reforma da Previdência em suas bases, como assembleias nas portas de fábricas, panfletagens, protestos, atos e panfletagens.

Tramitação da PEC 006

Embora alguns pontos da reforma da Previdência tenham sido abrandados diante da luta popular, a proposta, de forma geral, continua cruel para com a sociedade, principalmente a parcela mais vulnerável economicamente.

O texto da proposta foi aprovado em primeiro turno pelo Plenário da Câmara no último dia 10 de julho. A expectativa é de que a votação da proposta em segundo turno seja realizada entre os dias 5 e 8 de agosto, após o recesso parlamentar. Cumprida essa etapa, o texto seguirá para análise do Senado, onde passará pela Comissão de Constituição e Justiça e pelo plenário, com votação em dois turnos.

Fonte: CUT Brasília, com CUT Nacional

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo