Noticia

Ministro de Bolsonaro adulterou mapa ambiental para beneficiar mineradoras

Ricardo Salles também é condenado por improbidade administrativa e teve os direitos políticos suspensos por três anos

Em pouco mais de um mês de governo já é possível perceber que os critérios de Bolsonaro para nomear seus ministros se norteiam por dois pontos: bizarrices e crimes cometidos.

Temos o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que admitiu ter recebido caixa 2; temos a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que além de falas homofóbicas e de mentir sobre o diploma de Educação e Direito, é acusada de sequestrar uma criança indígena; e temos também o ministro do Meio Ambiente acusado de crimes (pasme) ambientais e cujos mal-feitos apenas se avolumam.

O advogado Ricardo Salles, que fez carreira na política pulando de um partido para outro, assumiu o cargo mesmo tendo sido condenado, em dezembro de 2018, por improbidade administrativa e ter os direitos políticos suspensos por três anos.

Uma reportagem do site The Intercept Brasil publicada nesta segunda-feira mostra em detalhes as práticas criminosas de Ricardo Salles quando ocupava a Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Quando ainda era secretário do Meio Ambiente de São Paulo, o ministro de Bolsonaro, em conluio com a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), adulterou um mapa ambiental e beneficiou indústrias e principalmente mineradoras.

Ricardo Salles, que já foi secretário de Geraldo Alckmin, é acusado pelo Ministério Público de São Paulo também por se apresentar — mesmo trabalhando para uma empresa privada — como uma pessoa “ligada ao governo do estado”.

Secretário “particular” de Alckmin
A reportagem aponta que em 2013, quando era secretário particular de Alckmin, e recebia um salário de R$ 12 mil, quase foi preso por não pagar pensão aos filhos e alegou não ter “condições financeiras”. Cinco anos depois, nas eleições (seu quarto fiasco nas urnas) declarou um patrimônio de R$ 8,8 milhões, um aumento de 4000% em relação a 2006.

Se já não bastasse a falta de postura e a defesa dos interesses da indústria, Ricardo Salles ainda defende outra medida estapafúrdia: a licença ambiental por autodeclaração. O ministro de Bolsonaro, que quer afrouxar as leis para quem destrói o meio ambiente, pretende aprovar o licenciamento para o setor a partir do empresário. Para ele, se o empreendedor disser que a obra está dentro das normas a fiscalização vem só depois. Fazendo uma analogia bem simples: é como se as raposas tomassem conta do galinheiro prometendo não comer as galinhas.

Da Redação da Agência PT de notícias, com informações do Intercept

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo