Noticia

Nota do PT sobre Reforma da Previdência de Rollemberg

Com uma celeridade jamais vista e sem nenhum diálogo com as servidoras e servidores públicos, o governador Rodrigo Rollemberg pretende alterar o sistema previdenciário da administração pública do Distrito Federal. O projeto, aprovado em tempo recorde por três Comissões da Câmara Legislativa, já está pronto para a apreciação do Plenário. Sobre mais uma medida autoritária de Rollemberg o Partido dos Trabalhadores afirma:
– Ao propor a unificação do Fundo Financeiro com o Fundo de Previdência o governo poderá utilizar cerca de R$ 5,4 bilhões, poupança feita principalmente no governo Agnelo. O Fundo de Previdência era deficitário em 2010 e tornou-se superavitário ao longo do governo petista;
– A unificação dos fundos joga por terra mais de 10 anos de discussões de uma solução para o problema previdenciário no DF;
– A proposta de Rollemberg, além de não resolver os problemas estruturais da previdência, torna incerta a sustentabilidade financeira do DF em caso de crise econômica;
– A Previdência Complementar para os novos servidores não é uma alternativa. Há dúvidas sobre a viabilidade desse modelo no logo prazo;
– O Fundo de Previdência ajudou o governo Rollemberg a resolver problemas financeiros em 2015 e 2016. Se Rollemberg gastar todo o recurso em seu governo, como ficarão os futuros governos?
– Rollemberg não assume sua inoperância, paralisia e incompetência ao não apresentar alternativas para a crise econômica no DF. Por isso, prefere fazer terrorismo com os servidores e servidoras. O governador trata a aprovação da reforma da previdência como condição para manter o pagamento de salários e aposentadorias em dia;
– A bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara Legislativa fez oposição firme e combativa à proposta nas Comissões e manterá tal posicionamento na discussão e votação da matéria no Plenário.

Executiva do Partido dos Trabalhadores do DF

04 de Setembro de 2017

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo